Ensaio sobre a cegueira.

Ainda não tinha lido um livro tão cheio de mensagens "subliminares" como este.
Saramago é capaz de prender a atenção do leitor sem nem mesmo o leitor perceber e se dar conta.
Eu, que não fui muito esperta, percebi isso no último suspiro, que calhou a vir bem na última página do livro, junto com o último ponto final.
Vamos parar de falar de último?

Não, ainda não.

Pense que este é seu último minuto de visão. O que faria com ele?
Depois disso, feito ou não, você se afunda por completo, da cabeça aos pés, em uma imensidão branca sem fim.
O que realmente Saramago quiz nos dizer com isso? O branco representa algo em especial na trama?
Pureza? Paz?
Os que perdem a visão, naquele momento, são privilegiados?
E os que não perdem?
Não ver é melhor do que ver e não se importar? Não fazer nada para mudar?

Veja só você quantos questionamentos em um único livro.

Leia e tente entender o por que do branco. Leia e descubra de qual grupo você é, dos que perdem a visão ou dos que continuam com ela.
Leia e tente decidir entre continuar vendo as cores ou escolher pelo branco total.
Leia e me conte, pois eu ainda não recuperei as minhas cores.

10 comentários:

garra disse...

eu li
gostei
axei seu blog muito bom
XD
se puder
http://sonabrisa.nomemix.com/
comente as postagen mais antigas tabem,
e entre na comunidade dele
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=23965519
atualização diaria.

Janna disse...

OLÁ EU ADOREI OS SEUS BLOGS MTO BONS, VAMOS SIM TROCAR INFORMAÇÕES SOBRE LIVROS...BJÃO CHARÁ RSRS

Maria disse...

Saramago é sempre surpreendente. Enquanto lia "As Intermitências da Morte", fui me surpreendendo com o desenrolar da história, pendendo, ao contrário de todas as expectativas, para o lado cômico.

Para mim, a significação maior da cegueira branca é dar a entender que não se trata apenas de uma doença degenerativa da visão ou algo assim, uma vez que na cegueira 'normal' só se vê o escuro. A intenção é deixar claro que não se trata de algo que possa ser explicado racionalmente.

No "As Intermitências.." isso também ocorre. Uma fórmula muito bem feita por um excepcional escritor!

beijos

Hique disse...

Como eu assisti o filme, ao ler o livro não terei a mesma emoção pura dos meu próprios sentimentos...

Gabriel Ribeiro disse...

Eis o grande dilema de adaptação literária.

Livro que vira filme. Provavelmente o livro dá uma surra no filme, mas eu já gostei pra caramba da história na telona, então imagine se eu tivesse lido.

De qualquer forma, é uma premissa pra lá de intrigante. E o texto tem aquela sensibilidade que só o Saramago consegue trazer.

Enfim, genial.

arteeato disse...

Amo ler. Então imagina como fiquei lendo suas sinopses e comentários! "Ensaio sobre a Cegueira" faz parte dos filmes que tenho aqui para ver. E ler "O Velho e o Mar" foi uma das boas coisas que fiz na vida. Adoro a poesia em prosa de Hemingway.

Rô Maia

Robson disse...

daeeee

Fica a dica do livro

Obrg


Flw

Guttwein disse...

Só o filme ja me deixou impressionado! Que cenas estarrecedoras! E talvez tenha cometido esse pecado... teimei de ver o filme antes de ler o respectivo livro, nunca faço isso!
Mas pretendo ler esse livro sim , o quanto antes!

Renne Oliveira disse...

eu assisti este filme, tramático e emocionante, vc fica tonto assim como os personagens, fiquei emocionado do inicio ao fim.
excelente filme e livro.
recomendo
e recomendo o blog que está sencasional!


http://leetelemensagens.blogspot.com
http://renneoliveira.blogspot.com

Tânia Sampaio disse...

Ler Saramago é a certeza de ficar sob o impacto daquela leitura por um bom tempo. Ele provoca inquietude, ebulição de idéias.
Mais? Leia para saber do que estou falando!